Design sem nome (1).png

Jornal do Povão

Aqui Você Faz a Diferença

  • Hiago Salesópolis

Secretário de Estado propõe apoio técnico aos municípios para volta às aulas presenciais

Contratação de rede de fibra óptica para o ensino remoto e compras coletivas para aquisição de materiais e insumos poderão auxiliar os municípios


Prefeitos e secretários de Educação das cidades do CONDEMAT – Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê participaram hoje (02/02) de audiência com o secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva. No encontro em Mogi das Cruzes, o secretário detalhou o plano estadual de retorno às aulas presenciais e propôs uma parceria de apoio técnico para auxiliar os municípios no preparo e adequação das unidades escolares para o retorno das aulas presenciais em sistema híbrido com o online.


Como exemplos de parceria estão desde compras coletivas de materiais básicos de higiene e proteção, como álcool em gel e máscaras faciais, até tablets e chips de dados móveis para serem utilizados no ensino remoto. O apoio na contratação de rede de fibra óptica para municípios onde existe dificuldade de conexão, como é o caso das cidades com grandes extensões rurais, também foi proposto pelo secretário.

“Como os municípios estão se preparando, adequando as unidades escolares de acordo com cada necessidade, esta parceria será importante para superarmos dificuldades que enfrentamos na compra dos materiais e insumos e até mesmo para garantirmos produtos com um melhor preço, já que estaremos incluídos num universo com demanda muito maior do que cada município de maneira apartada”, declarou o presidente do CONDEMAT, prefeito Rodrigo Ashiuchi.


Sobre a vacinação dos profissionais da Educação, um pleito do CONDEMAT desde o início do ano para proporcionar maior segurança na retomada das atividades, Rossieli falou que a priorização também é defendida pela Secretaria Estadual da Educação, porém não há perspectiva para isso a curto prazo em razão da reduzida oferta atual de vacinas.

“Até agosto o Butantan deve produzir 100 milhões de vacina. Para imunizar os brasileiros do maior grupo de risco, que são os idosos acima de 60 anos, serão necessárias 70 milhões de doses. Por isso não podemos vincular o retorno das aulas presenciais à vacinação dos profissionais da educação, caso contrário não teremos volta neste primeiro semestre, o que irá acarretar em prejuízos pedagógicos, sociais e econômicos a médio e longo prazo”, ressaltou. “Da mesma forma que o calendário proposto pelo Estado também não é rígido. Se o município apontar que não possui condições de retomar as aulas presenciais neste momento por questões estruturais ou de profissionais, iremos respeitar”, acrescentou Rossieli.

A maioria dos municípios da região do CONDEMAT optou por retomar as aulas em fevereiro de maneira remota, apenas com algumas atividades pedagógicas e de acolhimento presenciais, enquanto finalizam protocolos e promovem adequações das escolas com vistas ao retorno dos alunos. Na região do CONDEMAT, apenas Guararema já iniciou o ano letivo de maneira presencial em janeiro, enquanto Guarulhos retorna no dia 21 de fevereiro.


<