PARAIBUNA: Vereadores reajustam próprios salários em plena pandemia e crise de desemprego


Os vereadores da cidade de Paraibuna, localizada no Vale do Paraíba foram no mínimo sarcásticos com a população que vivem momentos difíceis com a Pandemia do NOVO CORONAVÍRUS além do desemprego na cidade.


Foi aprovada na última sexta-feira, 29 de maio um aumento de 40% nos próprios salários, além de acréscimo de 70% nos vencimentos do vice-prefeito do município, sendo que oprojeto teve sete votos favoráveis e três votos contrários.


Com a aprovação do aumento, o salário dos vereadores poderá subir de cerca de R$ 2,5 mil para R$ 3,5 mil; do vice-prefeito, haverá um aumento de R$ 3,5 mil para R$ 6 mil e o salário do presidente da Câmara subiria para R$ 4,5 mil.


O projeto gerou revolta por parte da população visto que a votação realizou-se na noite de uma sexta-feira, e não estar inicialmente na pauta do dia.

O projeto foi colocado em votação após uma hora e meia de sessão, a pedido do vereador Roberto Macedo (PSB).

Caso seja sancionado pelo prefeito, o novo salário passa a valer a partir da próxima legislatura, em 2021.

Os vereadores favoráveis ao projeto argumentaram que não há reajuste salarial há 18 anos, mas este não seria um bom momento para aprovar esse aumento devido a crise pela qual passa o Brasil e visto que o Governo Federal já fala em congelar os salários dos servidores pelo menos até o final de 2021.


O prefeito Victor de Cássio Miranda, “Vitão” falou a reportagem do JP e disse que tão logo o Projeto do aumento salarial dos vereadores e vice-prefeito chegue a seu gabinete o mesmo disse que irá VETÁ-LO.


OPINIÃO DO JP


O mundo e principalmente o Brasil está passando pela mais grave recessão de todos os tempos devido a Pandemia do NOVO CORONAVÍRUS, empregos estão sendo cortados, famílias estão passando fome e o governo federal anunciou o congelamento dos salários dos servidores até o final de 2021.


Também não podemos nos esquecer dos pequenos e médios empresários que estão todos “quebrados” sem dinheiro para sequer pagar seus funcionários, ou aqueles que ainda estão empregados.


A recuperação da economia deverá demorar no mínimo quatro anos para voltar ao normal, e hoje temos mais de 12,8 milhões de desempregados e mais de 5 milhões que não procuram mais empregos há pelo menos um anos.


O Brasil passa pela sua pior crise financeira de todos os tempos, o rombo no caixa do Governo Federal deverá passar dos R$ 600 bi este ano.


Quando se fala em crise política então não podemos deixar de destacar também, pois o nosso país além da crise financeira causada pela Pandemia do NOVO CORONAVÍRUS ainda vive uma crise institucional que pode gerar mais prejuízo no futuro próximo.


Um exemplo de que estamos em uma crise sem precedentes foi à ação dos deputados estaduais de São Paulo que aprovaram uma redução em seus salários no valor de 30% de seus vencimentos neste período da Pandemia do NOVO CORONAVÍRUS.


Exemplo esse que na opinião do JP deveria ser seguido por todas as câmara municipais e prefeitos do estado de São Paulo, para que as pessoas mais necessitadas pudessem ser mais favorecidas, visto que estamos a cada dia que passa vendo nos noticiários números exorbitantes de óbitos causados pelo NOVO CORONAVÍRUS.


Mas, infelizmente a câmara municipal da cidade de Paraibuna andando na contramão de todos os problemas hoje enfrentados em nosso pais resolveu reajustar os salários dos vereadores e vice-prefeito para a próxima legislatura.


Esperamos que o prefeito Victor de Cássio Miranda “Vitão” em respeito ao povo paraibunense e principalmente no que tange a crise econômica e de saúde que passamos vete o Projeto de Lei de autoria da câmara municipal com referente aumento dos vencimentos dos vereadores e vice-prefeito para iniciar em 2021.


Este é o momento de refletir, ajudar ao próximo, pensar nas pessoas mais carentes, nos pobres e humildes.

JORNAL DO POVÃO 

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Google+ Social Icon
  • Twitter Social Icon

Jornal do Povão - Aqui Você faz a Diferença